Branham

O PROFETA DO SÉCULO XX

William Marrion Branham

William Marrion Branham

William Marrion Branham nasceu no dia 06 de abril de 1909, numa cabana de pau-a-pique, em Berksville, Kentucky, e viveu a maior parte de sua vida em Jeffersonville – Indiana, nos Estados Unidos da América.

Organizações Religiosas

Até mesmo os segredos mais bem guardados do coração dos homens foram feitos conhecidos para estes homens de Deus. O Rei Nabucodonosor teve um sonho atribulado, mas ele não conseguia se lembrar sobre o que era.

Uma visitação de um Anjo

Embora ele fosse parte de uma denominação, as visões continuavam. Foi-lhe dito pelos colegas de clero que estas visões não eram de Deus. Foi-lhe dito que um espírito maligno o possuiu. Isto lhe atribulou profundamente.

“Eis que vos envio o profeta Elias, antes que venha o dia grande e terrível do Senhor;
E converterá o coração dos pais aos filhos, e o coração dos filhos a seus pais; para que eu não venha, e fira a terra com maldição.” (Malaquias 4:5-6)

Fotografias do Ir. Branham

A COLUNA DE FOGO

Irmão Branham frequentemente descreve uma Coluna de Fogo que vindicou seu Ministério. Ele esteve presente em seu nascimento, foi visto por milhares nas margens do Rio Ohio, e parecia segui-lo em qualquer lugar que ele fosse. Foi em 1950 que o Senhor deu tanto a crentes quantos descrentes semelhantemente prova infalível que esta Coluna de Fogo estava com o profeta.

A noite estava envolta em controvérsia no Coliseu San Houston. Irmão Branham estava dirigindo uma campanha de cura que estava varrendo a terra. As bênçãos do Senhor Jesus estavam se derramando como chuva torrencial sobre os campos espirituais de trigo. Mas, os grandes sinais e maravilhas não vieram sem crítica. Como sempre, o inimigo levantou um adversário. As duas forças se encontraram em Houston, Texas, e o Próprio Anjo do Senhor desceu para lutar a batalha.

Milhares já estavam presentes para testemunhar os incontáveis milagres que seguiam este homem de Deus. Um dia antes, um grupo de ministros desafiou o profeta para um debate sobre a cura divina, mas o debate caiu para velho e leal companheiro do profeta, o Reverendo F.F. Bosworth. Os muitos céticos eram defendidos por um pastor batista local – um crítico vocal da cura divina. A informação do debate foi vazada para os jornais, que rapidamente publicaram as manchetes, “O casaco de pele teológico voará às 19h hoje no Coliseu Sam Houston”.

O cético contratou um fotografo profissional, Ted Kipperman, do Douglas Studios, para documentar o debate com seis fotos falsificadas. Naquela noite, as fotos foram tiradas com Irmão Bosworth em pé modestamente enquanto o cético posava em posições intimidadoras; uma vez com seu dedo apontado no rosto do velho humilde.

Quando o debate começou, Irmão Bosworth rapidamente provou a certeza da cura divina com a evidência escriturística e, em seguida, para não deixar questionamento, pediu que se levantassem todos que tinham tido suas enfermidades curadas. Milhares se puseram de pé. Depois que aqueles que tinham sido curados, tomaram seus assentos, ele pediu se todos aqueles curados pela cura divina que eram membros permanentes da denominação deste homem se levantassem. Trezentos se puseram em pé para orgulhosamente exibirem a misericórdia que o Senhor Jesus tinha lhes mostrado.

O desafio, então, veio do cético. “Que o curador divino venha à frente. Que ele desempenhe”. Irmão Bosworth deixou claro que Jesus era o único curador divino, mas os desafios não paravam. Finalmente, o Irmão Bosworth convidou o Irmão Branham para vir até a plataforma. Ele aceitou o convite e assumiu a plataforma em meio a gritos de apoiadores.

O profeta, cheio do Espírito Santo, deu a seguinte resposta:

Então, eu disse, “Mas eu não posso – não posso curar ninguém”. Mas eu disse, “Isto eu realmente digo. Quando eu era bebê nascido lá no estado de Kentucky, de acordo com minha própria querida mãe, e que tem sido vindicado através de minha vida”, eu disse, “houve uma Luz que entrou no quarto daquela velha cabaninha, na onde estava, nada de piso nela, nem mesmo tinha uma janela, eles apenas tinham uma coisinha velha como janela ali, como uma portinha, e eles a empurravam para abrir por volta de cinco da manhã, e esta Luz circulou para dentro exatamente quando era alvorecer”. Eu disse, “Desde aquele tempo, Ela tem estado comigo. Ela é um Anjo de Deus. Ele encontrou-me em pessoa há alguns anos atrás. Por toda minha vida, Ele me disse coisas que aconteceram, e eu as contei exatamente como Ele contou-me. E eu desafio a qualquer um em qualquer lugar, a ir à cidade onde eu fui criado, ou em qualquer outro lugar, em que uma declaração tenha alguma vez sido feita no Nome do Senhor Jesus, senão aquilo que ocorreu exatamente do modo ela disse que ocorreria”.

Depois que ele disse aquelas palavras, o Espírito Santo caiu sobre a plataforma, e o fotógrafo empolgado tirou uma foto. O irmão Branham deixou a plataforma com uma declaração simples, não obstante, profética: “Deus testificará. Eu não direi mais nada”.

Coluna de fogo sobre a cabeça do irmão Branham

Coluna de fogo sobre a cabeça do irmão William Branham

O associado do senhor Kipperman foi rapidamente trabalhar para revelar os fotos para as notícias da manhã seguinte. Ele notou algo estranho quando ele puxou a primeira foto da solução reveladora. Ela, como as próximas cinco fotos, estava em branco. Ele agarrou seu coração e caiu para frente quando ele puxou a última impressão da solução. Ali, na última foto, estava a Coluna de Fogo em uma forma visível repousando sobre a cabeça do profeta de Deus, William Marrion Branham.

Os filhos de Israel testemunharam a Coluna de Fogo guiando Moisés, e o povo deste dia moderno testemunhou aquela mesma Coluna de Fogo guiando um outro profeta.

A fotografia foi rapidamente feita em direito autoral pelos Douglas Studios e entregue a George J. Lacy, Examinador de Documentos Questionáveis do F.B.I. dos E.U.A, que autenticou a foto com sua opinião de especialista, “A luz atingiu a lente da câmara. O ser sobrenatural estava ali’’.